segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Lado a Lado, a nova novela das 18h, estreia hoje na Globo

Com o fim da Monarquia e a chegada da República e de um novo tempo no país, a cidade do Rio de Janeiro enfrenta um momento de grandes transformações. Que o diga Constância (Patrícia Pillar), mãe de Laura (Marjorie Estiano). Para quem um dia viveu o apogeu do café, ostentando o título de Baronesa e foi criada em um mundo de diferenças, é difícil aceitar essa nova realidade. Constância e sua família, junto com a perda do título, experimentam a decadência financeira e o prestígio. Para ela, ainda que a escravidão já tenha chegado ao fim, negros e brancos não podem conviver em harmonia.

Já para o senador Bonifácio (Cassio Gabus Mendes), pai de Edgar (Thiago Fragoso), o novo regime representa excelentes oportunidades. Empresário de sucesso, casado com Margarida (Bia Seidl), ele se beneficia da modernização da cidade – seja na sociedade de uma companhia de bondes ou com a negociação de terrenos que comprou no passado, por um valor irrisório, da família de Constância, de quem não hesita em tirar vantagem. Disposto a se dedicar mais à carreira política, ele quer Edgar, seu primogênito, assumindo os negócios da família em vez de Fernando (Caio Blat), seu filho mais novo, que não tem o menor interesse por trabalho ou estudos. Ao trazer o futebol para o Brasil, sua única vocação passa a ser o esporte e, consequentemente, jogar bola com seus amigos Albertinho (Rafael Cardoso), Umberto (Klebber Toledo) e Teodoro (Daniel Dalcin).

De um lado, a República traz o progresso para a cidade do Rio de Janeiro. A Belle Époque marca um período de sonhos, de luxo. O Rio segue os moldes de Paris. E para isso é necessário que se abram grandes avenidas, com cafés, confeitarias e magazines.

No Rio de Janeiro que está nascendo, porém, não há lugar para os ares insalubres das moradias coletivas. Os cortiços – e os que nele habitam – precisam ser afastados para dar espaço a estabelecimentos de uma verdadeira cidade cosmopolita. Felicidade para uns, desespero para muitos. Negros e pobres, em sua maioria, de uma hora para outra, se veem sem moradia. Mas o que parecia ser o fim torna-se o começo. Sem ter para onde ir, Isabel e o pai, Seu Afonso (Milton Gonçalves), Jurema (Zezeh Barbosa), Berenice (Sheron Menezzes), Caniço (Marcello Melo Jr), o próprio Zé Maria (Lázaro Ramos) se unem para construir um futuro. E é no Morro da Providência, a primeira favela a se formar na cidade, que decidem ter sua casa, sua dignidade e sua alegria de volta.

Lugar de gente do bem. De gente que traz na alma a revolta do passado cheio de injustiças e tristezas. Mas também, enche o coração de esperanças por uma vida melhor. Pessoas companheiras, que se unem na alegria e na dor para reconstruir e recomeçar. Isabel (Camila Pitanga) divide seus dias entre o trabalho na casa de Madame Besançon (Beatriz Segall), uma senhora francesa muito chique, e a roda de samba ao lado de seus amigos no Morro. É lá que ela se esquece dos problemas e encontra a alegria de viver e de buscar sua liberdade, soltando o corpo na dança, ouvindo os conselhos de Jurema e recebendo o carinho de Seu Afonso. E nem mesmo a inveja e as maldades de Berenice a derrubam.

Desde a época em que viviam no cortiço, Berenice não tirava os olhos de Isabel cobiçando tudo o que ela tinha: sua beleza, sua sabedoria e, claro, o Zé. E nem mesmo a dor de terem perdido a casa amoleceu o coração dela, que está determinada atrapalhar os planos de Isabel.

A casa de tia Jurema, como é carinhosamente chamada, é o "coração" do morro. É lá que o povo se junta para formar as mais animadas rodas de samba, comer e festejar a vida.

O teatro, assim como em Paris, está em alta no Rio de Janeiro. O sonho de Mario Cavalcanti (Paulo Betti) de ter o seu próprio teatro, não poderia se concretizar em outro lugar que não a Rua do Ouvidor, centro cultural e econômico da capital da República. Ainda que pequeno e simples, o Teatro Alheira seria o palco onde Diva Celeste (Maria Padilha), famosa atriz cômica, brilharia novamente. Mas no meio de seu caminho existe uma pedra: Eliete (Maria Eduarda), uma jovem – e bonita – atriz que pode roubar a cena.

Frederico (Tuca Andrada) - o galã da companhia - e Mario vivem às turras disputando a atenção e o coração de Diva. E para complicar ainda mais a vida dela, Neusinha (Maria Clara Gueiros) chega como camareira, mas, no fundo, sua ambição é de se tornar uma grande atriz e ser a estrela do Alheira. Está armada a confusão!

Fazem parte do elenco ainda:
Dr. Assunção (Werner Schünemann) – Casado com Constância (Patrícia Pillar), é pai de Laura (Marjorie Estiano) e Albertinho (Rafael Cardoso). Barão do café no século anterior, entrou em decadência financeira com a Abolição e perdeu prestígio com a República. Instruído por Constância, faz de tudo para que a família recupere sua importância neste novo tempo.
Zenaide (Ana Carbatti) – De origem simples, moradora do Morro da Providência.
Percival (Rui Ricardo Diaz) – É quem recebe o povo que perde suas casas do cortiço. Simboliza os primeiros ocupantes do Morro da Providência: os soldados que voltaram da Guerra de Canudos com a promessa, nunca cumprida pelo governo, de ganhar casas.
Etelvina (Lais Vieira) – Casada com Percival (Rui Ricardo Diaz), forma com ele uma família estável e batalhadora. Os dois exercem certa liderança no Morro.
Isidoro (Tião D´Ávila) – amigo e confidente de Seu Afonso (Milton Gonçalves).
Esther (Rhaisa Batista) – Sobrinha de Margarida (Bia Seidl). Só entra na segunda fase da novela.
Quequé (Álamo Facó) – Contrarregra do Teatro. É atrapalhado e desastrado.
Luciano (André Arteche) – Entrará no Teatro na segunda fase da novela. Péssimo ator, o seu sonho é, na verdade, ter um emprego comum, uma vida normal. Será interesse amoroso de Neusinha.
Carlos Guerra (Emílio de Mello) – Dono do Correio da República, um jornal de oposição. É amigo e grande incentivador de Edgar (Thiago Fragoso) no jornalismo.
Luiz Neto (Romis Ferreira) – Amigo de Guerra (Emílio de Mello), intelectual, companheiro da boemia, escreve no jornal, mas tem posições conservadoras sobre política, artes e comportamento social.
Jonas (George Sauma) – Jovem tipógrafo que sonha em ser jornalista. Está sempre com Guerra (Emílio de Mello).
Praxedes (Guilherme Piva) – Delegado autoritário no trabalho, em casa fica perdido entre as mulheres. Casado com Tereza (Susana Ribeiro) e pai de Sandra (Priscila Sol).
Tereza (Susana Ribeiro) – Bibliotecária casada com o Delegado Praxedes (Guilherme Piva), mãe de Sandra (Priscila Sol). Vive às turras com a sogra, Dona Eulália (Débora Duarte).
Sandra (Priscila Sol) – Amiga de Laura (Marjorie Estiano), as duas se conheceram no curso Normal. É uma jovem que também sonha com a liberdade e a independência.
D. Eulália (Débora Duarte) – Mãe do Delegado Praxedes (Guilherme Piva), é uma senhora que só pensa em fazer o enxoval da neta e não aceita o fato da nora Tereza (Susana Ribeiro) trabalhar fora. Com isso, está sempre causando confusões na casa da família.
D. Celinha (Isabela Garcia) – Irmã mais nova de Constância (Patrícia Pillar) e Carlota (Christiana Guinle). É uma solteirona com um espírito cômico e charmoso. É desprezada pelas irmãs por nunca ter tido marido e por ser bem atrapalhada.
D. Carlota (Christiana Guinle) – Irmã mais velha de Constância (Patrícia Pillar) e Celinha (Isabela Garcia). É uma viúva amarga. Com Constância, alimentará uma relação de inveja, mas ao mesmo tempo é sua grande cúmplice.
Alice (Juliane Araújo) – Filha de Carlota (Christiana Guinle). Apesar de amiga de Laura (Marjorie Estiano), tem um perfil diferente da prima: é obediente às ordens da mãe, que controla cada passo de sua vida.
Catarina Ribeiro (Alessandra Negrini) – Uma cantora lírica brasileira que fará muito sucesso em Portugal. Chegará ao Brasil envolta em mistérios.
Padre Olegário (Claudio Tovar) – Padre antigo da igreja frequentada pela elite do Rio de Janeiro. De bom coração, compreende e perdoa com facilidade.
Gilda (Jurema Reis) – Vai entrar na segunda fase pra trabalhar no Bar Guimarães. Impressiona a todos com sua beleza.
Matilde (Luisa Friese) – Empregada de Laura (Marjorie Estiano).

O Plano Comercial disponibiliza uma cota de patrocínio nacional.

Um anúncio de 30 segundos em rede nacional durante os intervalos desta novela está avaliado em R$ 211.300.


Lado a Lado tem autoria de João Ximenes Braga e Claudia Lage, com direção de núcleo de Dennis Carvalho, direção geral de Vinícius Coimbra e supervisão de Gilberto Braga.

Lado a Lado estreia hoje, dia 10 de setembro, às 17h50.
Vai ao ar de segunda a sábado, das 17h50 às 18h45.
Novela exibida em alta definição (HD) e com Closed Caption.
Classificação indicativa: livre.


Fonte: Diretoria de Comunicação Transmídia - CGCOM




blog comments powered by Disqus