domingo, 20 de março de 2011

Morde e Assopra, nova novela das 19h da Globo, estreia amanhã

Em qualquer tempo, os sonhos são combustível para as grandes realizações. No passado, buscamos as origens da nossa existência. No presente, lutamos pelo nosso espaço. Para o futuro, almejamos o inconquistável, às vezes até o impossível. Levar estas questões a uma comédia romântica foi o desafio de Walcyr Carrasco em Morde & Assopra.

No Monte Fuji, a montanha mais alta do Japão, começam as aventuras da paleontóloga Júlia (Adriana Esteves). Seu sonho é encontrar os restos de um réptil marinho, extinto há milhões de anos. Do outro lado do mundo, na fictícia Preciosa, um fazendeiro, Abner (Marcos Pasquim), precisa lutar para manter cada pé de café de sua fazenda. Disso depende a sobrevivência de sua família. E, entre as luzes de Tóquio, está Ícaro (Mateus Solano). Seu sonho? Construir um robô que reproduza com exatidão Naomi (Flávia Alessandra), mulher que amou e perdeu em um trágico acidente.

O enredo envolve as peculiaridades da paleontologia, o prazer da descoberta de uma nova espécie, as novas tecnologias ao alcance do ser humano, a cultura oriental milenar. E um romance de dois bicudos que se beijam, Júlia e Abner. São curiosidades e temas que têm a urgência contemporânea misturada aos elementos clássicos de um folhetim.



Dinossauros e Robôs

Júlia precisa encontrar os fósseis no Monte Fuji para concluir sua tese de doutorado e dar aulas na Universidade de Oxford, na Inglaterra. No momento em que está desenterrando a cabeça do réptil que confirmará sua tese, sente o chão tremer. Um terremoto acaba com as chances de Júlia concluir seu trabalho. Sem fósseis nem dinheiro, ela vê seus sonhos serem enterrados com o esqueleto que havia descoberto.

Mas ela não sabe ainda que nem tudo está perdido! Um excêntrico brasileiro que visita Tóquio irá ajudá-la a encontrar uma solução. Ícaro, médico por formação e cientista por opção, está no Japão à procura de novas tecnologias para criar um robô semelhante a sua esposa, Naomi. O destino cruza o caminho dos dois e Ícaro, ao saber do terremoto, conta a Júlia sobre a existência de sítios arqueológicos em Preciosa. Ele explica que nesta cidade foram descobertas várias ossadas de animais pré-históricos. Júlia se anima e corre atrás desta nova chance que a vida lhe dá!

O noivo e orientador de Júlia, John Lewis (Michel Bercovitch), vai à Tóquio com a boa notícia de que a mudança do foco da pesquisa foi aceita e que Júlia terá a verba para terminar sua tese no Brasil. A paleontóloga embarca, então, para uma nova aventura na companhia de seus assistentes Cristiano (Paulinho Vilhena) e Virgínia (Bárbara Paz).


A Paleontóloga e o Fazendeiro

A chegada de Júlia à Preciosa dividirá a cidade e a opinião da população sobre a sua escavação. No mesmo local em que descobrirá o mais puro e sincero sentimento, a paleontóloga encontrará o maior obstáculo para sua pesquisa.

É na fazenda de Abner que está enterrado o resto da ossada de um Titanossauro, mas o que parece simples será muito complicado. Abner não está disposto a derrubar sua plantação de café para que ela escave o terreno atrás do esqueleto do dinossauro. Para ele, não há cabimento algum em liquidar a sua fonte de renda e o seu maior tesouro. Revoltada, Júlia tentará de muitas formas convencer o ser "pré-histórico" da importância desta escavação. Em vão. Abner vive para sua fazenda. Por conta dos gastos com o tratamento de sua falecida esposa, foi obrigado a se endividar com o banco da cidade e agora corre o risco de perder tudo. Não pode desperdiçar um só minuto, muito menos dias e meses, em uma escavação de "ossos velhos".

Os embates diretos entre Abner e Júlia começam com as investidas da estudiosa de escavar à noite, secretamente. Em meio a uma destas conturbadas tentativas, o casal se renderá ao primeiro beijo - seguido de encontros e desencontros.


Preciosa cidade

O confronto pelas terras acaba envolvendo o prefeito da cidade, Ísaias (Ary Fontoura). Júlia explica que nas plantações de Abner existem tesouros inestimáveis para a ciência e a primeira-dama Minerva (Elizabeth Savalla) logo percebe o grande potencial da descoberta. Minerva já idealiza a inauguração da "cidade dos dinossauros", atraindo milhares de turistas. Influenciado pela mulher, Ísaias vai ajudar a paleontóloga a obter licenças para escavações e tentará até mesmo desapropriar a fazenda de Abner.

Outro grande aliado de Júlia é o caçador de dinossauros Tiago (André Bankoff), amigo de infância de Ícaro (Mateus Solano).



O sonho de Ícaro

Ícaro é um homem romântico e com um grande sonho. Ele quer recriar Naomi (Flávia Alessandra), a mulher que amou e que perdeu em um acidente de barco. Depois de conhecer as novas tecnologias japonesas, ele se enche de esperança. Ícaro, apesar de ser médico, sempre estudou informática e é amante de robótica. Em um antigo casarão, construiu seu laboratório, onde se dedica a invenções.

No local, convive com o robô Zariguim, com seu engenheiro e seu fiel assistente Akira (Chao Chen) e com Palmira (Neusa Maria Faro), uma empregada que vive assustada com as engenhocas do patrão.

Para criar Naomi, Ícaro coloca memórias de sua esposa nos circuitos do robô, que aprende a falar e a tocar piano, exatamente como a jovem fazia. Tudo isso só foi possível, pois no Japão Ícaro encontrou um famoso cientista que criou dois androides com aparência semelhante a dos humanos.

A perfeição de sua criação chega a um nível inimaginável, a ponto de enganar qualquer incauto que se aproxime dela. Um dia, ao ouvir uma melodia ao longe, Leandro (Caio Blat) se aproxima da casa de Ícaro e fica encantado ao ver Naomi tocando piano. Sem saber que se trata de um robô, o jovem recém-chegado à cidade acaba se apaixonando pelo androide.


A encalhada e a avarenta

Entre Júlia e Abner não estão apenas as divergências sobre a escavação. Há também a encalhada Celeste (Vanessa Giácomo).

O grande trauma de Celeste foi ter sido abandonada pelo noivo, o filho mais velho do prefeito Isaías, com quem ficou por seis anos. Depois dele, que desapareceu sem deixar qualquer rastro, não namorou mais ninguém. Por maldade do povo da região, ganhou o apelido de "encalhada".

Mas o coração de Celeste ainda bate e forte! Ela é apaixonada por Abner, marido de sua falecida irmã. Para ficar próxima do fazendeiro, está sempre em sua casa e disposta a cuidar de sua sobrinha Tonica (Klara Castanho). Além da menina, ela contará com a astúcia de sua mãe Salomé (Jandira Martini) para impedir que Júlia e Abner fiquem juntos. As armações idealizadas por elas, no entanto, nem sempre dão certo.


O SPA e o tráfico de chocolates

As loucuras por um corpo perfeito também estarão em pauta na novela. O SPA Preciosa conta com um método radical de emagrecimento, que inclui regime de baixíssimas calorias e muitos exercícios físicos. Isso tudo, claro, recheado com muito humor. A diretora e dona do SPA, Augusta (Cissa Guimarães), faz questão de acompanhar tudo de perto para que nada saia errado. Rígida e autoritária, ela é do tipo que revista as bolsas de todos os hóspedes na chegada ao SPA. Mesmo assim, não consegue evitar o contrabando de chocolates e doces. Entre uma folha de alface e uma gelatina sem açúcar, um de seus funcionários, o peculiar Efraim (Guilherme Gonzalez), concede o prazer da gula aos hóspedes.

A equipe do local é formada pela médica Carolina (Flávia Garrafa), pelo personal trainner Igor (Antonio Firmino) e pelo massagista Zé Paulo (Oswaldo Lot). A principal cliente é a atriz Duda Aguiar (Suzy Rêgo), que precisa emagrecer às pressas porque assinou um contrato para posar para uma revista. Além dela, o SPA também tem outros hóspedes fixos, entre eles Irene (Miriam Lins), Pink (Cristina Mutarelli) e seu marido Dorival (Ary França), que, apesar de magro, acompanha a mulher em sua rotina de emagrecimento.



Élcio ou Elaine?

A história de Élcio (Otaviano Costa), na verdade Elaine, promete arrancar risadas. A trama começa com a fuga do personagem de São Paulo. Ele deve pensão alimentícia a três ex-mulheres e é avisado do mandado de prisão. Assim ele vai parar em Preciosa, onde mora Augusta, sua única ex-mulher que ainda é sua amiga. É ela que tem a ideia do disfarce de Élcio.

Ele, claro, não gosta da situação, mas, como não tem outra saída, acaba acatando. Disfarçado de mulher, vai trabalhar como empregada na casa de doutor Eliseu (Paulo Goulart). Para piorar, Élcio/Elaine se encanta por Lara (Juliana Schalch), a filha mais velha de Eliseu (Paulo Goulart). A jovem, por sua vez, está apaixonada por Fernando (Rodrigo Hilbert) e vê em Elaine (Otaviano Costa) a esposa perfeita para o pai Eliseu. Com isso, a confusão está armada.


Amor de mãe

Dulce (Cássia Kiss) é uma faxineira que trabalha no hotel de Roney (Mauro Gorini) e Janice (Dhu Moraes) e ainda vende cocadas à noite. Tudo isso para pagar a faculdade de medicina do filho Guilherme (Klebber Toledo) no Rio de Janeiro. O problema é que ele não faz universidade coisa alguma. Usa todo o dinheiro da mãe em festas com amigos e roupas caras. Depois de anos enganando Dulce, a situação chega a um ponto irreversível. O período do curso chega ao fim e Guilherme se vê obrigado a voltar para Preciosa sem o diploma de médico.

O seu retorno à cidade causará uma série de problemas para Dulce, que acredita nas várias mentiras do filho. Mas o maior golpe para esta mãe será quando Guilherme fingir que não a conhece por ter vergonha de sua pobreza. O grande objetivo do ambicioso jovem é manter uma imagem de médico rico para se casar com a filha do prefeito Isaías, Alice (Bárbara Silvestre).


A decasségui

Em Morde & Assopra, Walcyr Carrasco também vai abordar uma história tipicamente japonesa: a das decasséguis. Keiko (Luana Tanaka) tem instrução superior e foi trabalhar no Japão como operária com a esperança de fazer fortuna. Mora com uma prima, Tomie, que preocupada com sua situação no país, decide "arrumar" um marido para ela.

No Brasil, Tieko (Miwa Yanagisawa) está à procura de uma esposa para seu filho, Akira, fiel escudeiro de Ícaro. Seguindo os hábitos da colônia japonesa, ela coloca um anúncio (através da internet) procurando uma noiva para o filho. E tudo isso sem que o jovem Akira saiba de suas intenções. É este anúncio que acabará unindo Keiko e Akira.

Com a esperança de voltar ao Brasil para reencontrar a filha, Kimmy (Carol Murai), de cinco anos, que deixou com seus pais, Keiko acaba aceitando a proposta de casamento. Ela recebe duas passagens para voltar ao Brasil e o contrato fica vinculado a casa onde mora seu pai. Se for descumprido, a família perde o imóvel. Na viagem de volta, Keiko leva sua prima Hoshi (Camila Chiba).

No Brasil, ela conhece seu futuro marido, mas tem uma terrível surpresa: A nissei simplesmente não se sente atraída pelo mordomo de Ícaro, mas também não pode desistir do casamento.



Viagem ao Japão

Foram quase dois dias de viagem, incluindo o fuso horário de doze horas, mas não há quem diga que não valeu a pena. "Gravamos em locações maravilhosas. O Japão reúne o contraste do moderno com o antigo e a novela pede exatamente isso", opina o diretor Rogério Gomes. A equipe da novela, composta por cerca de 30 pessoas, gravou durante 15 dias em Tóquio.

A gravação começou pelos arredores do jardim do Palácio Imperial, com Adriana Esteves e Paulinho Vilhena. No dia seguinte, a equipe gravou cenas de Mateus Solano no tradicional bairro de Akihabara, conhecido como a "Meca dos eletrônicos".

O diretor Rogério Gomes também aproveitou a noite de Tóquio. O restaurante Majestic, que fica no 41º andar de um prédio na região da Baía de Tóquio e tem uma vista privilegiada da cidade, compôs o cenário de uma das cenas de Morde & Assopra.

A gravação da cena de Mateus Solano com robôs da empresa Kokoro foi realizada em um galpão no bairro de Odaiba. O diretor de fotografia Sérgio Tortori usou um painel de led de 6m x 6m para compor o cenário do local e o androide foi programado para falar o texto da trama de Walcyr Carrasco.

Depois de mais de uma semana de gravação em Tóquio, a equipe percorreu cerca de 100 quilômetros de ônibus até o lendário Monte Fuji. Em um lindo dia de sol, Adriana Esteves e Michel Bercovitch gravaram a cena em que John Lewis pede Júlia em casamento.

No dia seguinte, Adriana e Michel tiveram cenas em meio a dezenas de fósseis de animais pré-históricos no Museu de Ciência e História Natural de Tóquio. As atrizes do núcleo nipônico da novela, Luana Tanaka e Camila Chiba, gravaram no bairro de Ueno o reencontro de suas personagens Keiko e Hoshi. A viagem seguiu para Shirakawago, a mais de 500 quilômetros de Tóquio, onde a equipe gravou em uma plantação de arroz com muita neve.

Ao todo, incluindo os stock-shots, foram captadas mais de 50 cenas no Japão, algumas em um restaurante tradicional Tsukiji Jisaku, no bairro de Ginza, em Roppongi, no aeroporto de Narita e em jardins japoneses.


O interior de São Paulo

Do oriente moderno e tecnológico para o interior rural de São Paulo! Esta viagem de 180º no globo terrestre levou a equipe da novela para as cidades de Marília e Vera Cruz, a cerca de 450 quilômetros da capital paulista.

Uma fazenda de 70 hectares, com uma grande plantação de café e seringueiras, foi escolhida como locação para a propriedade do personagem Abner. "É um cenário que faz parte da novela inteira. O local foi uma indicação do autor Walcyr Carrasco, que é de Marília", explica Rogério Gomes.


Cenografia

A cidade cenográfica de Morde & Assopra, Preciosa, levou cerca de três meses para ficar pronta. O local foi inspirado em cidades brasileiras do interior do Estado de São Paulo, especialmente nos arredores de Marília. "Seria uma antiga região cafeeira, com uma mistura moderna. É uma arquitetura inventada", explica o cenógrafo Alexandre Gomes.

A fictícia Preciosa tem quatro ruas e 26 construções, sendo algumas com interiores completos, entre eles o café de Marcos (Sérgio Marone), a recepção do hotel, o botequim, o salão de cabeleireiro de Tieko e a igreja. Lá também estão as fachadas da casa do prefeito Isaías, de Salomé, a entrada de um templo japonês e uma praça bem no meio da cidade.

Ao todo, a novela terá mais de 50 ambientes, entre estúdio e cidade cenográfica. Um dos cenários mais curiosos é o laboratório de Ícaro. O local das experiências do personagem é montado como se fosse o porão da casa dele. A estrutura é de cimento e ferro e objetos antigos se misturam às gadgets.

A equipe de cenografia também teve trabalho nas externas que envolveram cenas de escavação. Eles contaram com o apoio de profissionais do Museu Nacional do Rio de Janeiro, que chegaram a acompanhar algumas gravações. Para a montagem dos "campos de escavação", a equipe recorreu a fotos de referência de como as vértebras de dinossauros ficam expostas no solo.


Produção de arte

Durante a viagem ao Japão, a equipe de produção de arte pesquisou no bairro de Akihabara as grandes novidades tecnológicas. Algumas estarão no laboratório de Ícaro - entre elas, um protótipo de cachorro que tem os movimentos controlados por programação computadorizada.

As partes do corpo do robô Naomi serão a grande estrela do laboratório de Ícaro. As peças foram confeccionadas pelo Instituto de Próteses e Órteses de Campinas. Todo o processo começou no Instituto Nacional de Tecnologia, no centro do Rio de Janeiro. Lá, após o corpo da atriz Flávia Alessandra ser mapeado, uma impressora 3D reproduziu o formato do seu tronco, membros e cabeça em esculturas de poliuretano - mesmo material usado em pranchas de surfe. "Com isso, foi possível criar as peças que servirão para as cenas em que Ícaro está tentando montar um protótipo da Naomi”, explica o produtor de arte André Soeiro.

Na trama, o ajudante de Ícaro na criação de Naomi é o robô Zariguim. Ele tem movimentos independentes, fala, se movimenta e dança. "O modelo já está no mercado, é usado inclusive para o tratamento de crianças com deficiência de comunicação e aprendizado", adianta o autor Walcyr Carrasco.

Assim como a robótica, a paleontologia foi alvo de intensa pesquisa pela produção de arte. Com o apoio do Museu Nacional do Rio de Janeiro, alguns atores fizeram laboratório sobre o tema no local e o departamento de paleoarte ficou responsável pela criação de dois esqueletos de dinossauros especialmente para a novela.



Efeitos especiais

Só a cena do terremoto no Monte Fuji, que será exibida no primeiro capítulo da novela, levou mais de 10 dias para ser gravada, começando em Tóquio e terminando no Rio de Janeiro. O diretor de núcleo Rogério Gomes captou imagens da montanha no Japão e toda a parte de ação da cena foi realizada em uma locação externa em Curicica, no Rio de Janeiro, com cerca de 70 figurantes.

"No final, ainda construímos uma maquete de 12m x 12m que simula as consequências do terremoto, com duas rachaduras, como se fosse o solo abrindo." conta Ricardo Menezes, produtor de efeitos especiais, que ressalta que a finalização do trabalho foi feita em conjunto com a equipe de computação gráfica.

Para o flashback do acidente de Naomi, em que a personagem cai do barco, a equipe de efeitos especiais viajou para gravar no mar de Angra dos Reis.

As cenas do vale dos dinossauros, recorrente nos sonhos da personagem Júlia, foram realizadas em parceria com a equipe de computação gráfica. "Houve modelagem em 3D em sintonia com movimentos gravados no cenário", adianta Ricardo.


Figurino

Simples e naturalista. As duas palavras resumem o conceito do figurino de Morde & Assopra, assinado por Natália Duran. Com temas muito variados, a novela levou Natália a buscar na essência de cada papel a ideia central para as roupas dos personagens.

Para a paleontóloga Júlia (Adriana Esteves), a figurinista garimpou muitas botas, camisas e chapéus. Já o personagem Ícaro, vivido pelo ator Mateus Solano, foi idealizado como um cientista moderno, pouco preocupado com a aparência e até um pouco desleixado. Por isso, há sempre uma peça de roupa amassada ou com um botão fora do lugar.

Fica por conta da personagem de Bárbara Paz a parte mais autoral do figurino de Natália Duran. Para Virgínia, ela usou todas as novas tendências da moda e trouxe peças exclusivas de Tóquio. "Ela estará sempre vestida de forma inadequada para os lugares que frequenta. Vai ser engraçado", acredita.

Desafio para a Natália foram a criação das peças para o robô Naomi e a personagem Elaine. Para Naomi, a figurinista separou roupas com "uma arquitetura mais moderna" e tecidos de alta tecnologia, sempre em tons neutros e frios. "O figurino dela foi elaborado com a preocupação de ter algo que remetesse à Naomi que um dia existiu, mas que não deixasse o telespectador esquecer que o que ele está vendo é uma boneca".

Para a personagem Elaine, "Buscamos o que há de mais feminino, o que valoriza uma mulher. Chegamos ao formato de um modelo de vestido ‘wrap’, mas que ficasse ajustado ao corpo do ator Otaviano Costa. Ele também vai usar sapatilha para ficar mais à vontade", adianta Natália.


Caracterização

Diante de um grande elenco, a supervisora de caracterização Valéria Toth procurou ressaltar em cada personagem um detalhe especial. A paleontóloga Júlia tem a maquiagem leve, mas o cabelo louro e curto bem marcante. Já Bárbara Paz, para o papel de Virgínia, ganhou olhos bem pretos e um corte atual. Os desafios ficaram por conta dos personagens de Flávia Alessandra, Otaviano Costa e o núcleo nipônico da trama.

Para o robô Naomi, Valéria buscou referências em filmes americanos e imagens de androides japoneses. Embora tenha aparência humana, alguns traços da maquiagem servirão para conceituar a imagem robótica de Naomi. A personagem usará cílios extensos no canto dos olhos e terá uma pele mais opaca. "A ideia é que ela lembre o rosto de uma boneca, mas ao mesmo tempo tenha aparência humana", explica Valéria Toth.

Para o personagem de Otaviano Costa, a caracterizadora idealizou uma prótese que desse ao ator um "contorno feminino". O processo envolveu a criação de uma escultura da parte superior do corpo de Otaviano. Com a modelagem correta, a equipe de efeitos especiais preparou uma "roupa" de silicone e neoprene, que adere ao corpo. A diferença é que esta "segunda pele" ganhou seios, colo, cintura e barriga femininos. Para completar o visual, Valéria disfarçou os traços masculinos no rosto do ator e finalizou com uma maquiagem bem discreta. "Todo processo leva cerca de uma hora e meia", conta.

Os personagens de Guilherme Gonzalez - o garçom responsável pelo "contrabando" de chocolates no SPA - e Cássia Kiss também usarão próteses, só que dentárias. "O Efraim terá um visual desleixado e engraçado", pontua Valéria.

A inspiração para o núcleo nipônico veio da viagem a Tóquio e de muitos livros que a caracterizadora trouxe do Japão. "Vamos usar o que vimos por lá, incluindo muitos cílios postiços. Tudo muito moderno. As japonesas têm uma maquiagem muito peculiar e cuidam muito da pele".



A novela Morde & Assopra é de Walcyr Carrasco, com direção de núcleo de Rogério Gomes e direção-geral de Pedro Vasconcelos.


Patrocínio

Existe apenas uma cota de patrocínio master (nacional) de valor não divulgado que foi adquirida pela Garnier Nutrisse (L'Oréal).


Morde e Assopra estreia amanhã, dia 21, e será exibida alta definição (HD) de segunda a sábado às 19h25, na Globo.


Acesse o site da novela.

Siga o Twitter da novela.

App para iPhone e iPod.


Fonte: Diretoria de Comunicação Transmídia - CGCOM




blog comments powered by Disqus