sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Em 2 anos: HDTV (TV Digital) é para poucos e TVs ainda não aderiram

A TV Digital no Brasil foi inaugurada em 2 de dezembro de 2007 com as primeiras transmissões em São Paulo, mas sua implementação começou em 1999. Em novembro de 2003 foi criado o Comitê do SBTVD - Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre – que ficou responsável por estudar e indicar o melhor padrão a ser implantado.

No Brasil, a TV Digital segue um padrão próprio – tecnicamente chamado de ISDB-TB (Integrated Services Digital Broadcasting Terrestrial, o “B” de Brasil) -, que é uma adaptação do sistema japonês – o ISDB-T. Foram acrescentadas ao padrão japonês tecnologias desenvolvidas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) e pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Basicamente, o padrão japonês utiliza a codificação de vídeo MPEG-2, no padrão brasileiro foram adotados a codificação de vídeo MPEG-4 (H.264) e codificação de áudio HE-AAC v2, mais atuais e melhores que o japonês.

Pioneiros em TV Digital, em 1970, cientistas da NHK – a emissora estatal do Japão – começaram a desenvolver um sistema com melhor qualidade de imagem e som para a televisão.


O padrão brasileiro de TV Digital está sendo adotado também pela Argentina, Chile, Peru e Venezuela.

HDTV (High Definition Television, em português: Televisão de Alta Definição) ou TV Digital, aberta, é gratuita e permite melhor qualidade de som e imagem para os telespectadores. Permite ainda que o sinal seja captado por diversos tipos de dispositivos, possibilitando com isso mobilidade e um maior alcance à televisão.

A TV Digital brasileira também promete, num futuro próximo, interatividade. Participar de enquetes, ter acesso a conteúdo extra e até fazer compras pela TV, pode se tornar possível através do sistema intitulado de Ginga. Esse sistema está sendo desenvolvido em Código Aberto e é baseado na tecnologia Java.

Em tese, para ter acesso à TV de alta definição o cidadão tem que adquirir um conversor e acoplar ao seu televisor, mas na prática para ter acesso real à qualidade de imagem e som também é preciso ter uma televisão de alta definição (plasma, LCD ou LED). Esses equipamentos custam muito caro e, principalmente por isso, a consolidação da TV Digital no país segue a passos lentos.

No dia 2 de dezembro de 2009 a TV Digital no Brasil completou dois anos. Apesar do cronograma de implantação estar em ritmo acelerado, à adesão dos cidadãos ainda é pequena e a produção de conteúdo pelas emissoras ainda menor.

Em dois anos, a TV Digital chegou a 18 dos 26 Estados e também ao Distrito Federal, através de 56 emissoras. De 5.565 municípios, o sinal digital está presente em apenas 27 cidades, disponível a cerca de 60 milhões de habitantes. Isso não quer dizer que 60 milhões de pessoas já assistem à TV Digital, muito pelo contrário.

Estima-se que nesses dois anos tenham sido vendidos dois milhões de equipamentos que dão acesso ao sinal digital como os conversores para televisão, televisores com o conversor embutido, celulares e congêneres. E nem isso indica que sequer esses dois milhões façam o uso contínuo desses equipamentos. Ou seja, a TV Digital ainda não vingou.

São essas as 27 cidades onde pelo menos uma emissora já transmite o sinal digital: Aracaju, Belém, Belo Horizonte, Brasília e regiões administrativas (Taguatinga, Guará, Sobradinho), Campinas, Campo Grande, Cuiabá, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Goiânia, João Pessoa, Joinville, Londrina, Manaus, Porto Alegre, Recife, Ribeirão Preto, Rio de Janeiro, Salvador, Santos, São José do Rio Preto, São Paulo, Sorocaba, Teresina, Uberlândia e Vitória.

Até 2016 o sinal analógico, o tradicional atualmente, continua sendo transmitindo simultaneamente ao sinal digital.

Dois fatores são determinantes para que exista a TV Digital: a adesão dos cidadãos e a produção de conteúdo em alta definição pelas emissoras de TV para que esses cidadãos assistam.

Por enquanto, o cidadão está praticamente impedido de ter a TV Digital, pois para isso são necessários equipamentos específicos, e que já passados pelo menos dois anos continuam muito caros. E, os poucos que já conseguiram comprar os equipamentos, encontram pouquíssima programação em alta definição para assistir.

As emissoras precisam produzir conteúdo em alta definição, o que ainda não é uma realidade no nosso país. Para representar claramente a pequena adesão das emissoras de televisão, pesquisamos e montamos o gráfico a seguir.

Foi usada como base, aleatoriamente, a semana do dia 30/11 a 06/12, considerando a programação transmitida para São Paulo, de 6 emissoras: Rede Bandeirantes, Rede Globo, Rede Record, Rede TV!, Rede Vida e SBT.



A Rede TV! é a líder absoluta de programação em alta definição entre todas as emissoras de TV aberta do Brasil. Por ser uma emissora nova, praticamente nasceu na era da TV digital e não precisou fazer grandes mudanças como às emissoras mais antigas precisam. Das 168 horas de uma semana, 161 horas e 40 minutos da programação da Rede TV! foi transmitida em HDTV. Dessas, 7 horas e 45 minutos foram exibição de produção de terceiros, como os jogos de futebol da UEFA e apresentações da UFC, as outras 153 horas e 55 minutos foram geradas em alta definição pela própria emissora. A Rede TV! transmite em média 23 horas por dia em HDTV.

Programas exibidos em HDTV na Rede TV!: Leitura Dinâmica 1ª e 2ª edição, Manhã Maior, RedeTV! Esporte, A Tarde é Sua, TV Fama, RedeTV! News, SuperPop, Interligado, Programa Amaury Jr., Pânico na TV, Brother's , Good News, Ritmo Brasil, Bola na Rede, É Noticia, lutas da UFC e partidas de futebol da UEFA. É importante ressaltar que alguns desses programas, principalmente os jornalísticos, exibem algumas partes que não são em alta definição. No canal digital, a programação é reapresentada várias vezes, por isso também esse total de horas.

A Rede TV! não é só líder em quantidade de horas transmitidas em HDTV, ela foi à primeira emissora a transmitir em HDTV em Belo Horizonte e no Rio de Janeiro, bem antes da Rede Globo ou Rede Record.

Em segundo lugar, porém bem distante da Rede TV!, aparece a Rede Bandeirantes – a Band – com um total de 74 horas e 50 minutos transmitidas em HDTV, sendo 65 horas e 20 minutos geradas pela própria emissora e 9 horas e 30 minutos de terceiros em exibição de filmes e jogos de futebol. A Band transmite em média 10 horas por dia em HDTV, cerca de 8 programas por dia.

Programas exibidos em HDTV na Band: Primeiro Jornal, Dia Dia, SP Acontece, Márcia, Brasil Urgente, Jornal da Band, VídeoNews, CQC, Jornal da Noite, E24, Apito Final, Uma Escolinha Muito Louca, Toda Sexta, alguns filmes no Top Cine Especial, No Coração do Brasil, Programa Raul Gil, Zero Bala, Band Esporte Clube, Terceiro Tempo e algumas partidas de futebol. É importante ressaltar que alguns desses programas, principalmente os jornalísticos, exibem algumas partes que não são em alta definição.

Em terceiro lugar, e distante da Band, vem o SBT. A emissora de Silvio Santos transmitiu 29 horas e 45 minutos em HDTV na semana analisada, dessas 20 horas geradas pela própria emissora e 9 horas e 45 minutos transmitindo conteúdo de terceiros como filmes e séries. O SBT transmite em média 4 horas por dia em HDTV, cerca de 4 programas por dia.

Programas exibidos em HDTV no SBT: Casos de Família, Você se Lembra, Vende-se um Véu de Noiva, Hebe, Esquadrão da Moda, A Praça é Nossa, Supernanny, Uma Hora de Sucessos, Domingo Legal, Chuck, Desaparecidos, Smallville, Lances da Vida, Sobrenatural (a partir da 3ª temporada), O Exterminador do Futuro e alguns filmes no Cine Espetacular. São transmitidos integralmente em HDTV.

Em quarto lugar aparece a Rede Vida. Uma emissora religiosa - para um público específico -, de pequena notoriedade, portanto pequena audiência e também pequeno faturamento, mas que foi selecionada e colocada propositalmente para mostrar que nada disso impediu que a emissora se esforçasse para entrar na era da TV Digital e produzisse e transmitisse em HDTV mais até do que a Globo e a Record. Na semana analisada a emissora produziu e transmitiu 23 horas e 10 minutos em HDTV, são cerca de 3 programas por dia, e uma média de 3 horas em HDTV por dia.

Programas exibidos em HDTV na Rede Vida: Tribuna Independente, Missa do Santuário da Vida, JCTV e Jornal da Vida. Sendo que esses dois últimos, jornalísticos, podem conter algumas partes que não são em alta definição.



Em penúltimo lugar aparece a Rede Globo, onde de 168 horas de uma semana transmitiu ínfimas 20 horas e 11 minutos. Dessas, 9 horas e 11 minutos foram geradas pela própria emissora e 11 horas foram transmissão de terceiros como filmes e futebol. A Globo transmite em média 3 horas por dia em HDTV e cerca de 2 programas por dia.

Isso mostra claramente que a maior emissora do Brasil, seja em número de telespectadores ou de faturamento, não acredita e não aderiu à TV Digital.

Programas exibidos em HDTV na Rede Globo: Viver a Vida, alguns filmes na Tela Quente, Sessão da Tarde, Intercine, Sessão de Sábado e Temperatura Máxima, Toma Lá, Dá Cá, Profissão Repórter e A Grande Família. São transmitidos integralmente em HDTV.

A relutância da emissora carioca à TV Digital é notória e curiosa. Por exemplo, na sexta-feira (04) ao transmitir o sorteio dos grupos para a Copa do Mundo, a Rede Globo recebeu o sinal da organização do evento em alta definição, bastando apenas retransmitir, mas sequer teve a capacidade de colocar câmeras de alta definição no estúdio em que os comentaristas da própria emissora ficaram no Rio de Janeiro.

Esse mesmo evento foi transmitido pela Band, só que lá com a retransmissão do sinal do evento em alta definição e as imagens geradas no estúdio em São Paulo também em alta definição.

Em último lugar ficou a Rede Record. Que, diga-se de passagem, se recusou a nos atender e prestar as informações solicitadas, de certo porque realmente não tinham o que passar de informação, uma vez que é praticamente inexistente programação em HDTV na emissora. Portanto nosso levantamento se baseou no site da emissora e em verificações próprias.

Na semana do dia 30/11 a 06/12, a Rede Record transmitiu apenas um programa em HDTV, foi o Oi Fashion Rocks, que durou 1 hora e 15 minutos.

Em nossas pesquisas achamos uma explicação para isso, a Rede Record passa por problemas técnicos na transmissão do sinal digital.

Observações:
Esse levantamento não tem caráter científico e serve apenas como referência.
A quantidade de tempo citada inclui os intervalos comerciais que NÃO são transmitidos em alta definição.


A Rede Globo aparece em penúltima na exibição de conteúdo HDTV, mas em cobertura por enquanto é a líder.

A Rede Globo transmite seu sinal digital em 23 das 27 cidades. Só a Globo – incluindo suas afiliadas - está presente com sinal digital em Campo Grande, Campinas, Cuiabá, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, João Pessoa, Ribeirão Preto, Santos e Uberlândia.

A Rede Record - incluindo suas afiliadas -  aparece em segundo lugar, com sinal digital em 11 das 27 cidades. Só a Record está presente em Aracaju.

O SBT- incluindo suas afiliadas - transmite sinal digital em Recife, Salvador, São Paulo, Sorocaba e Teresina.

A Band - incluindo suas afiliadas - transmite sinal digital em Belém, Rio de Janeiro e São Paulo, além dessas três cidades, é a única emissora com sinal digital em Londrina.

A Rede TV! está presente com sinal digital em Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo.

A emissora MTV Brasil - Music Television -, do Grupo Abril, foi insistentemente procurada, porém, aparentemente e propositalmente, não mantém em seu site um canal de comunicação entre o telespectador/cidadão e a emissora. Tentamos contato até pelo canal de atendimento à imprensa, sem êxito. Pelos meios procurados, como twitter e até funcionários da emissora, não conseguimos ter acesso às informações necessárias. A emissora também faz questão de não disponibilizar em seu site os programas que transmite em HDTV. Por sua área de cobertura ser muito pequena e sua relevância entre as emissoras abertas ser quase nenhuma, também ficou impossível reunir unilateralmente as informações necessárias para este post.

A TV Cultura também foi insistentemente procurada, mas também não respondeu as diversas tentativas de contato. A emissora também faz questão de não disponibilizar em seu site os programas que transmite em HDTV. Por esses motivos descartamos a emissora de nosso levantamento.

As outras emissoras de São Paulo não foram objeto de análise nesse levantamento.

Esses dados mostram claramente que ainda não é hora do cidadão se preocupar com TV Digital, é pequena a cobertura, é pequena a produção de conteúdo e os equipamentos são caros.

Isso é um ciclo, enquanto as emissoras de TV não produzirem conteúdo para o telespectador assistir, o telespectador não vai comprar os equipamentos, e não existindo vendas em grandes quantidades não há queda de preços, e os preços altos impede novos telespectadores, que atualmente por serem poucos não são prioridade para as emissoras.

Resta saber quando que esse ciclo negativo vai ser quebrado e que lado que vai quebrar esse ciclo vicioso.

Fato é que o governo decidiu implantar o padrão que a maioria das emissoras de televisão desejava e até o que a indústria de eletrônicos (TVs e conversores) apoiava, portanto, é responsabilidade desses dois setores fazer a TV Digital se consolidar.


Esse post foi idealizado por Gregori Pavan, e contou com a colaboração de Thiago Cipriano e Rick Souza.




blog comments powered by Disqus