terça-feira, 15 de julho de 2008

A verdade sobre o suposto abatimento da Telefônica

Já fazem 13 dias do principio do problema no Speedy da Telefônica, que prejudicou milhões de pessoas no Estado de São Paulo, e o problema ainda NÃO foi solucionando.

As empresas e organismos públicos tiveram o serviço Speedy restabelecido, muitas entraram na justiça para obter indenização pelos problemas causados pela Telefônica.

Já os clientes residenciais infelizmente, praticamente indefesos e sem voz, continuam a espera de uma solução. A grande maioria dos usuários residenciais, que estão com o serviço aparentemente funcionando, não está tendo acesso à velocidade contratada. Ou seja, estão acessando, pagando pelo preço correspondente, mas estão usando efetivamente uma internet com velocidade bem abaixo da contratada. Porém, por aparentemente conseguirem usar e navegar, muitos não percebem isso. É exatamente como comprar uma Ferrari com motor de liquidificador.

Outros usuários residenciais do Speedy, principalmente de cidades do interior do estado, continuam sem internet desde o ocorrido, no último dia 2.

Para à Telefônica tudo já foi resolvido, desde o dia seguinte (03). A empresa arrumou uma localidade e um equipamento para botar a culpa, mas obviamente como é uma desculpa inventada, não conseguiram achar uma solução para o tal equipamento. Para desviar à atenção, funcionários da Telefônica afirmaram que o problema foi causado por sabotagem. Sinceramente não é difícil encontrar clientes e também funcionários que gostariam de explodir a Telefônica, mas, nesse caso, é remotamente improvável, trata-se apenas de um fator minimizador de responsabilidade.

Burson-Marsteller BrasilContudo, o que me deixou ainda mais intrigado ontem foi que à Telefônica deu ordem para sua assessoria de imprensa (responsabilidade da Burson-Marsteller Brasil, desde dezembro de 2007) monitorar tudo o que foi publicado sobre a Telefônica e sobre a falha do Speedy.

Claro que o que intrigou não foi o fato da Telefônica ficar sabendo que grande parte do Estado de São Paulo a odeia, mesmo porque isso ela já tinha uma vaga noção, e a com a absoluta certeza que a Burson-Marsteller Brasil não foi mobilizada com esse intuito, pelo contrário.

Num despropósito sem tamanho, observando a total falta de informação e respeito pelo qual foram tratados os clientes da Telefônica e até à imprensa, recebi ontem um e-mail da Burson-Marsteller Brasil com o seguinte título: "Posicionamento Oficial Telefônica".

Li o texto, e ingenuamente acreditei ainda que poderia ter sido enviado por algum leitor do blog, ou sei lá, alguém, mas nunca à Telefônica ou sua assessoria. Como sempre apuro antes de colocar qualquer informação no blog, fui atrás para saber quem enviou o e-mail. E ai que verifiquei que tinha sido à assessoria, que tinha recebido essa incumbência de pesquisar o que foi publicado e propagar uma informação que ao ver da Telefônica resolve a situação.

Mas, definitivamente, esse blog não é uma extensão da Burson-Marsteller Brasil e muito menos da Telefônica. Exatamente ao contrário e por isso vou explicar de maneira clara e sem distorção, a informação correta. Segue a nota na integra:

Nota à Imprensa
A Telefônica informa que compensará os clientes do Speedy pelos problemas no funcionamento do serviço ocorridos entre os dias 2 e 3 de julho, em função de problema técnico na rede de dados da empresa. A decisão atende ao compromisso firmado nesta segunda-feira (14/07) com o Ministério Público Estadual – Promotoria de Justiça do Consumidor – e a Fundação Procon.
A empresa compensará todos os assinantes do serviço Speedy.
A Telefônica efetuará desconto relativo às 36 horas em que o serviço apresentou problemas, conforme determina a regulamentação, acrescido de crédito, a título de compensação, equivalente a 84 horas, calculadas sobre o valor da assinatura mensal do Speedy. No total, os clientes terão uma redução, na conta do serviço, de valor equivalente a 5 dias, ou 120 horas.
A empresa informa ainda que já iniciou diálogo com os clientes empresariais e governamentais para definir as compensações aplicáveis a cada um deles, de acordo com as disposições contratuais e comerciais estabelecidas.
A Telefônica espera que estas medidas reparem os transtornos causados a seus clientes e reafirma seu compromisso com a transparência e o respeito ao consumidor.

Primeiro: os problemas ocorridos começaram na manhã do dia 02 e se estenderam até, pelo menos, o domingo dia 06. Isso levando em consideração a grande parte das pessoas, porque como eu já afirmei existem ainda hoje pessoas sem acesso devido ao problema. Ou seja, os cinco dias são na verdade apenas a devolução "regulamentar" e não uma "compensação" como à Telefônica se refere.

Segundo: a Telefônica está fazendo essa "compensação" porque com isso consegue, na prática, se livrar de multas pesadas, da ordem de 50 milhões de reais. Isso também é conseqüência da pressão e rapidez do PROCON, PROTESTE, IDEC e outras entidades de Defesa do Consumidor, além de consumidores e imprensa.

Vamos a um calculo simples. De acordo com à Telefônica, ela tem "2,1 milhões de acessos Speedy".
Vamos supor (supor porque isso é irreal, uma vez que pouquíssimas pessoas chegam a contratar o Speedy de 1 mega ou mais) que todos esses tenham acesso de 1 mega, portanto pagam R$ 89,90 por mês. A Telefônica informa que abaterá 5 dias, o correspondente a R$ 14,95.
Multiplicando esses 14,95 por 2,1 milhões teremos um valor de pouco mais de 31 milhões. Um valor bem abaixo dos cerca de 50 milhões que a empresa poderia pagar de multas, se aplicadas pelo PROCON e ANATEL. Calculando o valor de R$ 69,90 referente ao plano de 500 kbps, um dos mais populares, o valor seria ainda menor, cerca de R$ 24 milhões.

Terceiro: a compensação será feita a todos os clientes, uma vez que todos os clientes foram afetados. Isso não precisa ser informado, pois passa uma imagem distorcida parecendo que a empresa está dando alguma coisa de graça a alguém, o que passa muito longe desse caso, em que a empresa está "tapando o sol com a peneira", e ainda sim, tirando proveito da situação. Portanto, não se aplicam também às afirmações de "compromisso com a transparência e o respeito ao consumidor", além do que isso nunca foi o lema da empresa, desde 1998 quando se instalou aqui.

Essa suposta "compensação" não impede que clientes do serviço Speedy pleiteiem indenização junto à empresa ou mesmo ajuízem ação contra a mesma. Tendo como provar e entrando na justiça, qualquer cidadão consegue ser reparado por danos causados direta e indiretamente pela empresa.

Caso algum cliente do serviço Speedy não receba ou visualize o abatimento de 5 dias na fatura de agosto ou setembro, deve imediatamente dirigir-se ao PROCON, pois à Telefônica será multada pelo descumprimento do acordo.

Vale o conselho! Aqueles que têm em sua região outro serviço de internet, façam à troca. Está comprovado que à Telefônica além de ter os planos mais caros, não tem nenhuma qualidade.

OBS: É importante que os donos e autores de blogs e semelhantes, se conscientizem que blog não é imprensa. Que assessoria de impressa não entra em contato com ninguém, muito menos com quem não seja da imprensa, se entrar desconfiem radicalmente. Especialmente para donos de blogs, observem bem se você já conseguiu em algum momento atenção de uma assessoria de imprensa de alguma empresa, não se deixe enganar e propagar uma informação falsa ou que seja favorável à empresa citada. Blog é uma das "armas" mais transparentes que existem, preze por isso!


Leia também:
A página da Telefônica está fora do ar
Telefônica estaria perdendo clientes por causa da pane
"Telefônica" acredita ser sabotagem. Uma desculpa para a Pane do Speedy
5º dia, problema com Speedy persiste
Às últimas sobre a desfaçatez da Telefônica
Problema com Speedy persiste, entra no 3º dia
Speedy fora do ar: Como agir?
Telefônica / Speedy bloqueou acesso ao Google Pages!




blog comments powered by Disqus